Festa infantil para 100 pessoas pode custar mais de R$ 80 mil

Há luxos como decoração exclusiva e motorista para pais que beberem.
Orçamento e interesse das crianças devem ser respeitados, diz economista.

No buffet infantil Fiesta's, em Fortaleza, a moda é fazer o "mês-aniversário": começa no chá de bebê da criança e continua com festas mensais até o aniversário de um ano. Em Brasília, a designer de festas Mabel Manzi produz estruturas de até 10 metros de altura para construir o mundo do Peter Pan e transforma salões em castelos dourados forrando do chão até o teto. Outras iniciativas já vistas no mercado são levar o Batman de helicóptero até a festa e contratar mágicos e cantores famosos.
Festas de quatro horas em buffets infantis de alto nível ou desenvolvidas por profissionais conhecidas ultrapassam R$ 80 mil, segundo buffets e designers do Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília e Fortaleza ouvidos pelo G1. A hora-extra fica em torno de 10% do valor da festa.
"Nossas maiores festas infantis são para comemorar o 1º aniversário da criança. Por incrível que pareça, o ‘baby’ ainda é pequeno, mas os pais fazem uma festa enorme e bastante chique. Hoje eu adoro porque nossos clientes comemoram tudo e em grande estilo", diz a dona do Fiesta's, Paula Athayde.
No Fiesta's, uma festa de criança pode custar até R$ 300 por pessoa, sendo que o buffet já chegou a organizar festas de R$ 500 mil. Entre os diferenciais do serviço, há motorista para levar os pais que beberam muito para casa, CD de ninar para os filhos irem dormindo na volta pra casa e a entrega do convite feita na casa dos convidados por um personagem da festa.
"Acho intrigante como os pais tendem a gastar tanto. Tudo bem, o nascimento de um filho parece um pequeno milagre, mas porque esses pais querem ganhar tanto dinheiro em algo que os filhos nem se importam tanto. As crianças são muito hábeis em demonstrar, no fim da festa, brincando com a fita e as caixas dos presentes como precisam de muito pouco para se divertir", diz a especialista em educação financeira infantil Cássia D’Aquino.
A decoradora de festas infantis Mabel Manzi é conhecida e bem paga pela "cenografia pesada", que transforma do teto ao chão o ambiente em que será feita a festa dando cara de céu, aquário, castelo ou o que a imaginação do cliente mandar. Por lembrancinhas, esculturas e cenografia interna e externa, ela cobra até R$ 80 mil. O serviço não inclui comidas, bebidas nem atrações: é só a decoração.
"Não copio nem a mim mesma, por isso tenho as mães mais seletivas. Em buffets, as festas são enlatadas, não há criação", diz. Em busca de exclusividade, Mabel estampa até os tecidos para não ter risco de o mesmo desenho ir parar em outra festa.
Andrea Guimarães, designer e organizadora de festas infantis de famosos, não só faz a decoração com base em um projeto exclusivo criado para a festa como ajuda a contratar todos os serviços da festa para quem "não quer ter dor de cabeça". "A gente vende o projeto, vende o sonho, então não tem valor mensurável para isso", diz ela, que indica que o serviço chega a custar até R$ 60 mil para 80 pessoas.
O pagamento pode ser parcelado. "A gente divide em várias vezes. Às vezes é sonho, e a família nem é VIP, mas quer. As mães se apaixonam", diz Mabel.
Para a economista Cássia, há pelo menos três indicadores do limite para o gasto e a exuberância nas festas: o financeiro, o do bom gosto e o do interesse da criança. Cássia orienta os pais a respeitarem o limite do orçamento, jamais se endividar para o aniversário e ficar atento ao interesse da criança de ter uma festa como essa. "O que interessa na celebração do aniversário de uma criança é a criança, e não o que os outros vão pensar. O que importa é a disposição dos pais em celebrar com os filhos", afirma.
Mais baratos
Assim como é costume dos buffets, Andrea e Mabel apontam ter opções de festas mais baratas. Mabel diz que em sua loja, em Brasília, são fechados por volta de 60 contratos de festa por fim de semana com preços que variam de R$ 2 mil a R$ 20 mil, entre aluguel de mesa até festas inteiras, mas sem o desenvolvimento exclusivo. Ela também manda kits de festa expressa e orienta a decoração em outros estados.
Andrea diz que adapta o projeto ao orçamento do cliente para ser mais "acessível". "Tem mães que fazem uma mega festa em um ano e no outro dizem ‘esse ano eu não quero gastar muito’, aí fazemos um projeto mais simples", diz.
Nas festas infantis de classe alta não há decoração repetida. Cada projeto é exclusivo, e a ideia vendida é a de que um sonho será criado. “Existe uma tendência para festas cada vez mais exclusivas. Para isso, os buffets estão se especializando cada vez mais, com um leque maior de opções e com a possibilidade de os clientes ‘personalizarem’ as suas festas”, diz Marcelo, do Cata-Vento, há mais de 25 anos no mercado. No pacote sem personalização, as festas do buffet podem chegar a R$ 20 mil. As opções mais baratas, em escolas ou em dia de semana, saem por R$ 1.999.
O buffet Miniland, mais identificado com brincadeiras educativas e apontado no setor como um dos "alternativos", cobra no máximo R$ 7.564 para uma festa de 50 pessoas por quatro horas. O buffet tem vários mini-mundos com atividades como sala da música, hospital, sala das sombras mágicas, dinossauro e pontes suspensas.
As festas têm cardápio diversificado, em um buffet os salgados são feitos com farinha italiana que faz com que "nem pareçam fritos", no outro há milkshakeria. Mas as crianças têm sempre opções como cachorro-quente, mini-pizza, gelatina e brigadeiro.

Fonte: http://www.expressomt.com.br/economia-agronegocio/festa-infantil-para-100-pessoas-pode-custar-mais-de-r-80-mil-75526.html